Portal da Horticultura


Reação de porta-enxertos e híbridos de pepino (Cucumis sativus) frente à Meloidogyne incognita. Reaction of rootstock and hybrids of cucumber to Meloidogyne incognita.

A.R.O. Higuti 1,2; J.M.O. Rosa 1,2; M.J. Garcia; A.I.I. Cardoso &.R.S. Wilcken 1. 1 FCA/UNESP, CP 237, 18603-970, Botucatu-SP, e-mail:higuti@fca.unesp.br. 2 Bolsista - CAPES

 


Resumo: A enxertia pode ser considerada atualmente como método alternativo no cultivo de cucurbitáceas. O presente trabalho teve como objetivo verificar a reação de 6 porta-enxertos de pepino (Abóboras: Menina Brasileira, Moranga Exposição, Shelper, Tetsukabuto, B8-A Tetsukabuto e Excite Ikki KY) e 4 híbridos de pepino tipo japonês (Yoshinari, Kouki, Taisho KY e Tsuyataro) a Meloidogyne incognita. Para isso, o experimento foi conduzido em casa-de-vegetação do Depto de Produção Vegetal da FCA/UNESP - Botucatu, SP. Cada parcela constituiu-se de uma planta por vaso contendo 2 litros de solo autoclavado. A infestação do solo foi realizada com 5.000 ovos e eventuais juvenis de segundo estádio de M. incognita/vaso após 9 dias do transplante das mudas. Foram utilizados tomateiros ‘Rutgers’ como padrão de viabilidade do inóculo. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com 5 repetições por tratamento. A avaliação foi feita após 90 dias da inoculação obtendo-se os seguintes parâmetros: peso fresco da raiz, número total de nematóides presentes no solo e na raiz, número de nematóides/g de raiz e o fator de reprodução. Todos os porta-enxertos e híbridos de pepino testados proporcionaram a multiplicação do nematóide estudado.